Advertisement

Responsive Advertisement

"June quer ver todo o sistema cair" conta Elisabeth Moss ao The Hollywood Reporter

 

 
A quarta temporada de The Handmaid's Tale terminou com um ato de vingança, uma imagem chocante e com diversos questionamentos sobre o que acontecerá na próxima temporada. Poucos segundos antes do fim, tudo começou a acontecer.

"E se Fred se desculpasse com a June - o que aconteceria?" questiona a estrela, produtora executiva, diretora de quatro episódios, quando perguntada a Hollywood Reporter sobre o final da temporada, que foi lançado na última terça a noite: "Nós precisamos de um cenário onde June terá que realizar uma escolha entre sua família ou a vingança"
 
Com o último episódio da temporada intulado "The Wilderness" June (Elisabeth) visita Fred Waterford (Joseph Fiennes) em sua cela prestes a deixar o país, após fechar um acordo por ser um comandante do auto escalão do governo, sendo livre de todos os crimes e acusações. Sem nenhuma justiça. June decide confrontar seu abusador e que para a sua surpresa, ele pede desculpas, fala sobre paternidade e diz que nunca conseguiu perceber sua dor até aquele momento: "Ter meu filho tirado de mim é algo inimaginável" ele diz. Enxugando suas lágrimas. June sorri, ri e chora antes de responder a ele: "Achei que você nunca diria isso."
 
Falando sobre essa cena ao THR sobre esta cena Moss disse que, após conversar com a documentarista Liz Garbur, que dirigiu o episódio, eles perceberam que pedido de desculpas de Fred teria selado seu destino. Após o confronto deles. June decide fazer justiças com as próprias mãos, então ela e um grupo de refugiadas mata o Fred na floresta. Usando aliados, tanto em Gilead como no Canadá. June faz uma negociação: Fred Waterford por 22 mulheres mantidas presas em cativeiro. Fred, sem saber de nada é levado ao meio do nada e deu de cara com June.

Isso prova que ele jamais voltaria a Gilead. A temporada termina com a June ensanguentada voltando para casa, abraçando sua filha Nichole e dizendo a seu marido Luke: "Me desculpe. me dê cinco minutos com ela e eu vou embora." Luke aparenta estar devastado. No fim, ela escolheu a vingança contra Fred.

"Falamos muito sobre isso, e falamos com mulheres que passaram por situações similares a June, sobreviventes. Como era horrível ouvir do seu agressor ou abusador que ele está se desculpando. Porque isso significa que ele sabia exatamente o que estava fazendo" explicou Moss.

"O que impulsionou June a se vingar? Nós descobrimos que era aquele pedido de desculpas. E uma vez que temos a ideia da cena, nós apenas a fazemos"

Abaixo Moss discute o momento "fúria" que direcionou June, fala sobre o que Luke quis dizer a ela (June), sobre a quinta temporada que dá a seu a seu vilão: "Foi fantástico ver Fred Waterford na parede"

June estava com uma raiva fascinante ao longo desta temporada. Explosiva, mas um pouco quieta. Como foi entrar neste estado emocional e chegar a este final de temporada?

Meio que se tornou natural a medida que cada episódio avança. Eu amo episódio de TV porque você consegue explorar algo hora a hora: é como fazer 10 filmes. Você pega seu personagem e toda a experiência que ele está vivendo e então você tem uma visão ampliada sobre o que está acontecendo. E quando você chega no episódio 10 é como: "Ora, óbvio, era exatamente isso que ia acontecer." Quando peguei o roteiro, eu planejei o arco de uma forma que eu pudesse moldar o desempenho da minha atuação. Então, eu acreditei totalmente que June chegaria ao estado máximo de fúria no episódio 10.

Sinto que toda a série foi construída até este episódio — onde June, uma mulher libre, consegue sua vingança contra Fred Waterford. Quando June visita Fred no cela no Canadá, como este momento onde ela confronta seu abusador influencia no que acontece a seguir?

Oh, esta cena foi muito engraçada de fazê-la.  Andar ao redor do quarto foi uma ideia da diretora Liz Garbus. E a propósito, como ela é brilhante? Nós nos consideremos gênios, claro, ter contrato ela para dirigir seu primeiro episódio televisivo.   Aquela cena, foi realmente muito experimental. Andar pela sala apenas me libertou, porque eu estava disponível para me jogar. Todas as coisas — pegar a bíblia e o cigarro, quando eu decidi me sentar e me posicionar. Eu me sentei no sofá — tudo foi improvisado. Joe [Fiennes] e eu comentamos que naquele dia parecia que estávamos fazendo uma peça teatral, especialmente porque o público estava do outro lado, parecia um palco.

Depois que June e suas companheiras matam Fred, ela retorna para casa. Ela pega sua filha Nichole e pede a Luke que a deixa com ela durante cinco minutos antes dela sair, ressaltando que ela escolheu a vingança a sua família. Ela estará fugindo novamente quando começar a temporada? E, você interpreta a escolha dela como dolorosa ou inevitável?

Dramaticamente, eu não sei se haveria outro caminho. O que seria do show se ela não preferisse a vingança; ela viveria feliz para sempre na Three Company com Nichole? (risos) É um show diferente que eu tenho certeza que seria muito mais fácil de assistir, mas não tão dramático. Eu tenho que seguir nesta direção. Faz sentido em termos de caráter. É muito mais importante para mim voltar a metade da temporada  — e eu estava num pesadelo em termos de certeza — que estávamos realmente segurando o trauma. Nos apegando a quem ela era depois de todas aquelas experiências em Gilead, e não será rosado e não seria um retorno fácil e feliz a casa. June não iria de repente fazer terapia e ficar bem. Não poderia ser assim. não é como a vida funciona. É realmente muito importante para mim e eu sinto que para June que não há nenhuma maneira de acabar em outro lugar além daquele. Ela mudou muito. A vida dela é uma guerra em Gilead e esse é o propósito dela na vida. Não há mais nada que possa ser feito.  

Até que ponto você sabia que esse seria o destino de Fred?

Na terceira temporada. Por um bom tempo! Ele é o vilão do show. Eu acho que o próprio Joe diria que, em algum momento, esse cara tem que ir. (Risos) Então, sim, eu já sabia há um tempo.

Quando June diz a Luke que Fred irá "terminar na porra do muro", é casual a maneira que ela diz isso, e no entanto, você acredita completamente que ela encontrará uma maneira de fazer isso acontecer.

É engraçado. Nós conversamos sobre isso na preparação, porque sempre essa conversa, de que ele iria para o muro, mas não necessáriamente pelas mãos da June. Mas quando nos mantivemos dizendo exatamente isso, o que você acabou de dizer,  quando June diz algo, acreditamos que ela vai colocar tijolo por tijolo e pessoalmente vai colocá-lo nisso. Estávamos tão cientes de que não poderíamos fugir do fato de que se June disser: "Vou colocá-lo na porra da parede", ela vai literalmente construir a parede e colocá-lo nela.

E o dedo cortado, enviado a Serena.

Foi só para dar sorte, por que não?

Antes do episódio terminar, os telespectadores tiveram imagens do corpo morto do Fred, com a frase do livro de Margaret Atwood "nolite te bastardes carburondorum", que em outras palavras significa da tradução do Latim: "Não deixe os bastardos te oprimirem". Quando a notícia de seu assassinato vier a público, esse ato de vingança poderia se tornar um grito de guerra para o movimentar uma rebelião?

Primeiro de tudo, para responder a primeira parte desta questão, é fantástico ver Fred Waterford no muro. E Joe concordaria! Ele disse a mesma coisa. Depois de tudo que June e aquelas mulheres passaram, é fantástico. Quanto ao grito de guerra. Eu não sei. Eu sei alguns temas gerais da quinta temporada; Bruce [Miller] e eu conversamos sobre isso. Mas detalhes? Eu não acho que eles estão resolvidos ainda. A questão é, ninguém realmente gostava do Fred neste momento. E em Gilead realmente não se importavam mais com ele também.

Ela fez aliados tanto em Gilead quanto no Canadá. Existe algum cenário onde ela poderia ser protegida por ambos os governos? Ou ela agora terá que enfrentar a justiça pelo que fez?

Eu não sei quando começaremos o primeiro episódio da quinta temporada. Eu provavelmente irei saber em alguns mses. Mas ela cometeu um assassinato, independente do que Gilead pensa, isso é ilegal em muitos paises. Então, June pensa que ela pode estar encrencada. (risos)

Como você imagina June renascer a partir deste momento - que versão dela você vê depois que ela coloca Nichole de volta no berço?

A vida dela é sobre uma guerra. E a vida dela é sobre criar um futuro melhor para suas filhas. Este é o propósito e, não podemos esquecer, ela tem uma filha que ainda está em Gilead. Este show é sobre o primeiro episódio, sobre a primeira cena onde ela tem sua filha tirada de seus braços. Esta série é sobre uma mulher criando um futuro melhor para as próximas gerações e, especificamente, para suas filhas. Esta é a única coisa que eu penso e foco nesta próxima temporada, sem saber todos os detalhes. Esta série tem sido sobre suas filhas e sempre será sobre elas.

O criador e showrunner Bruce Miller disse em uma entrevista anterior ao THT, que ele irá continuar escrevendo lindas palavras para você dizer enquanto você as disser. The Handmaid’s Tale já foi renovado para a quinta temporada e a adaptação do Hulu de Os Testamentos de Atwood irá estender este mundo. Por quanto tempo você imagina interpretar June?

Isso é uma coisa muito gentil de se dizer. Eu irei continuar dizendo essa palavras enquanto ele as escrevê-las (Risos). Caminhando temporada, após temporada. Mas acredito piamente que toda história tem um começo e um fim. Eu acho que este show é sobre a jornada de uma mulher. E, é claro, todos os personagens que estão ao redor dela; é um elenco incrível de pessoas. Mas o livro é sobre a jornada de um mulher. Não é sobre a guerra ou a queda de Gilead. É sobre essas pessoas que estão vivendo este momento. Eu não acho que nada deve durar para sempre. A história mostra que as séries tendem a não ficar tão boas, embora haja exceções. Mas, ao mesmo tempo, eu amo interpretá-la e eu amo começar a produzir e dirigir o show agora. Não será fácil dizer adeus.

No último episódio que você dirigiu nesta temporada ("Progress", 4x09) reuniu June com Nick. Agora  que ela aparentemente explodiu sua vida com Luke no final, há um futuro para June e Nick?

Deus. Eu não sei. Eu sou uma romântica, claro que eu quero que eles se encontrem no futuro. Eu quero que eles possam ser felizes. Eu quero eles juntos. Ao mesmo tempo, eu gostaria que June fosse o tipo de pessoa que ela costumava ser antes de Gilead, que podia viver feliz com Luke. Aquele casamento era incrível. Luke é incrível. Existe uma vida de felicidade, que eu gostaria que ela tivesse. Mas o problema é que ela não é mais a mesma pessoa que se casou com ele. Eu não acho que ela possa deixar seu passado para trás,  e acho que Luke está aprendendo isso. Ele não conhece mais sua esposa. E eu acho que June e Nick vivem um amor de guerra. Eles estão na mesma guerra, eles tiveram as mesmas experiências e isso é muito difícil de ser rompido.


Há três linhas para June para a próxima temporada: salvar sua filha mais velha Hannah,  salvar Janine e a vingança contra Serena. Em qual você gostaria mais de ver o foco dela?

Acho que nós dois sabemos que June tentará seguir as três! (Risos.) Nesse ponto, acho que ela está com tudo em cima. Ela está acima. Ela quer derrubar todo o sistema, e com isso viria salvar Hannah, salvar Janine e a vingança adequada contra Serena.

A matéria foi editada, traduzida do site THR, você pode acessar ela clicando aqui.

 





Postar um comentário

0 Comentários